sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Devaneio de presente

Hoje parei. Na verdade parei há muito tempo. Vendo o tempo de costas pro presente percebo o quanto desacelerei gradualmente com o passar dos anos, assim devagar e sem perceber os anos vão passando e com o clichê na mente sempre nos vem a famosa frase "carpe diem". Tudo bem, aproveite o dia, porém em momentos de nostalgia sempre penso: que aproveitar seria esse? Estou hoje com o pensamento voltado no futuro, penso que aproveitar seria planejar de forma concreta o presente de amanhã, é tão difícil falar em presente, pois no exato momento que escrevo presente ele já se foi, sim, nesse ritmo acelerado ele nos deixa confusos, perplexos diante da ineficiência de aproveitar o dia.
Contudo podemos retirar dessa experiência maior que é a dádiva da vida coisas boas as quais sempre nos agarraremos em momentos difíceis, sejam elas nossa família, religião, amor... sempre estamos prontos a nos segurar, ter algo em que acreditar, mas há momentos em que simplesmente o ânimo nos falta e aquele sentimento de que está tudo perdido nos vem. Sim, eu sei como é, já tive depressão e realmente é uma experiência muito desagradável e auto destrutiva, pois nada mais lhe interessa, o mundo se torna cinza e as pessoas desinteressantes, choros noturnos no silencio das sombras, sozinho no quarto, chorando baixo para não alarmar ninguém. Toda essa experiência de vida nos traz sempre ao efêmero presente, ao agora e nesse agora tentamos fazer o melhor, aproveitar é uma dádiva que nos é dada, com intervalos às vezes fastidiosos com horas de coisas que não queremos fazer, mas devemos fazer, atribuições de uma vida moderna onde é necessário se livrar de certos prazerosos momentos para dar espaço a momentos pouco atraentes de labuta involuntária.
No meu caso foi-se um sonho, sim um sonho para que eu entrasse no mundo real, o mundo dos negócios, ganhar dinheiro para sobreviver. Funciona sempre assim, quando somos crianças enchem nossas cabeças de perguntas como: o que você vai ser quando crescer? Na verdade a pergunta deveria ser: O que poderá ser quando crescer? É duro, porém não há tanto romantismo na vida real como em conto de fadas que vemos o tempo todo na demagógica televisão ou em livros infantis, não estou aqui criticando a literatura infantil, longe de mim, mas apenas constatando uma realidade diferente das que vemos em histórias, chega um momento que é necessário o apartamento do onírico, agora não dá mais, isso não vai pra frente, acorda, esses são alguns conselhos evidentes em quem se preocupa mais com a nossa vida do que a deles mesmos.
Então hoje 25 quilos mais gordo e preocupado estou no meu "carpe diem", incrivelmente mais velho, com cabelos brancos e marcas de expressão que enrugam minha testa ao menor sinal de expressão, porém só ocorre em momentos de distração, geralmente fico mais atônico o dia inteiro, um misto de expressão morta, preocupação e desânimo. De dentro vem uma voz para mudar, amanhã vai ser melhor, maior, vai ser um novo dia, uma nova vida, vida nova não existe, existe a mudança de atitudes e ações para que nossa esfera individual atinja a esfera a nossa volta, minha opinião, basicamente a lei da física de ação e reação.
Nesse turbilhão de emoções e sensações quase sempre desagradáveis tenho um rico e maravilhoso motivo, sim motivo, motivação, fonte de ânimo, foi há 10 anos atrás, conheci a pessoa que seria a minha energia, o meu amor, estamos esse tempo todo descobrindo, desbravando esse mundo juntos, vendo as desilusões e as maravilhas também, muita coisa boa e outras tantas ruins e sempre lado a lado nos turbilhões nós estamos. Quanto mais eu a tenho do meu lado mais perto quero estar, uma luz que minhas sombras faz parar, essa é a definição mais próxima que posso chegar, pois desse ponto pra frente é impossível descrever com simplórias palavras o sentimento que sinto.
Ao lado dela nesses poucos momentos prazerosos em que podemos fazer o que nos convém sou inteiro feliz, sou metade da metade dela e por pouco tempo num lembro de pensar pesado, nada de romântico nessas, perdi o romantismo junto com meu sonho lá trás, talvez um dia o resgate, essas palavras são realidade e é nisso que me prendo, me ato, é em sentimentos bons como esse que sou salvo todos os dias, pois só é capaz de amar, se doar, somente quem se ama, se emana.
Carpe diem junto com meu amor é e sempre será um apraz dia de momentos gloriosos de uma vida qualquer nesse mundo de ninguém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário